Notícias IBEC

quinta-feira, 4 de julho de 2013

Como aproveitar o fim do mundo” – Globo vive dias finais

Devocional do Dia
“Como aproveitar o fim do mundo” – Globo vive dias finais“Como Aproveitar o Fim do Mundo”, estreia no dia 1º de novembro, em rede nacional de televisão. Dois personagens solitários e opostos acabam encontrando um jeito de enfrentar a tragédia do fim dos tempos. O oitavo capítulo do seriado vai ao ar no dia 21 de dezembro – data supostamente “definida” para o fim do mundo, segundo o calendário maia. Serão distribuídos na internet, em tom de brincadeira, fotos do mundo se acabando em tempo real. O principal canal de TV do Brasil quer fazer o telespectador rir com uma tristeza velada. Nelson Freitas, integrante do elenco, faz um papel mais sério, fala sobre relacionamento. Já o ator Danton Mello, disse: “Sempre tive uma ideia de aproveitar a vida, viver o momento. A gente não sabe o que vai acontecer, tem que aproveitar mesmo.” Aproveito para perguntar: 
O mundo não vai acabar neste ano!
Pela cronologia do arcebispo Ussher, o mundo deveria ter acabado dia 23 de outubro de 1996. Isto não é uma piada. Há milhares de pessoas, inclusive em nosso meio, que creem que o mundo foi criado no dia 23 de outubro de 4004 a.C., às 17 horas, horário de Greenwich, e que sua duração deveria ser de 6.000 anos, terminando em 23 de outubro de 1996. Após esses seis dias de mil anos, o sétimo seria um milênio de descanso. Os cálculos do arcebispo irlandês (que viveu entre 1581 e 1656) falharam porque o fim do mundo ou, no caso, a volta de Jesus, não se resume a uma questão de matemática. É verdade que assim “como as estrelas no vasto circuito de sua indicada órbita, os desígnios de Deus não conhecem adiantamento ou tardança” (O Desejado de Todas as Naçõesp. 32). Também não há dúvida de que Daniel 9:24 a 27 indicou o tempo exato da primeira vinda de Jesus. Mas a respeito de Sua segunda vinda, afirmou Jesus que “o dia e a hora ninguém sabe” (Mt 24:36 ).
“Se a cronologia não serve para definir quão perto estamos da volta de Cristo, talvez a geografia ajude”, é o que pensam os que tomam Mateus 24:14 ao pé da letra, e ficam somando quantos países possuem presença adventista e quantos são os ainda não penetrados. Ao contrário do grupo anterior, marcado por certo determinismo, os que exageram no argumento demográfico colocam muito peso na capacidade da Igreja para antecipar ou retardar a volta de Jesus. Há ainda os que relacionam o fim com um certo argumento sociológico, ou seja, Cristo está na dependência da união das igrejas, da alteração na constituição americana ou de outros fatos políticos.
Você está preparado para o maior evento?
Em todos os casos, parece muito mais uma ânsia por adivinhar, prever, visualizar os “últimos dias”. Ora, os últimos dias começaram tecnicamente com a primeira vinda de Cristo e incluem toda a era cristã! Na ocasião em que os discípulos insistiram no “quando”, querendo um sinal (Mt 24 e 25), Jesus lhes deu vários indícios, só que nenhum específico. Além disso, misturou os que se referiam à destruição de Jerusalém com os de Sua segunda vinda, e ainda chamou isso de “princípio das dores”, não de fim. A única vez, em que todo o capítulo 24 de Mateus, que Jesus utilizou a palavra “sinal” foi no verso 30, para Se referir ao próprio fato de Sua volta, e não a uma antecipação. Portanto, para Cristo, o verdadeiro sinal não é um lembrete ou convite para o evento, mas a abertura do próprio evento.
O fim se aproxima. Essa é a linguagem da Bíblia (ver 1 Co 7:29; Hb 10:25 e 37, 1 Pe 4:7). “Aquele que perseverar até o fim será salvo” (Mt 24:13). Essa perseverança combina com fé e obediência (Ap 14:12), mas não pode se apoiar em calendários, cálculos, fatos políticos, estimativas de níveis de santificação da igreja, nem nada que represente uma tentativa de “descobrir” aquilo que a soberania divina reservou, tendo em vista seguramente o nosso benefício. O fim se aproxima. “Vem, Senhor Jesus” (Ap 22:20).
O dia e a hora exatos da Sua vinda não foram revelados. Cristo disse aos discípulos que Ele Mesmo não sabia o dia ou a hora do Seu retorno, mas mencionou certos eventos através dos quais poderiam saber quando Sua vinda estaria próxima. “Haverá sinais”, disse Ele, “no Sol, na Lua e nas estrelas.” Lucas 21:25. E explicou com maior clareza ainda: “O Sol escurecerá, a Lua não dará a sua claridade, as estrelas cairão do firmamento” (Mt 24:29). “Sobre a Terra”, disse Jesus, haverá “angústia entre as nações em perplexidade por causa do bramido do mar e das ondas, haverá homens que desmaiarão de terror e pela expectativa das coisas que sobrevirão ao mundo” (Lc 21:25 e 26).
Programa da Globo brinca, mas o caso é sério.
“E verão o Filho do Homem vindo sobre as nuvens do céu, com poder e muita glória. E Ele enviará os Seus anjos, com grande clamor de trombeta, os quais reunirão os Seus escolhidos, dos quatro ventos, de uma a outra extremidade dos céus” (Mt 24:30 e 31). O Salvador acrescentou ainda: “Aprendei, pois, a parábola da figueira: quando já os seus ramos se renovam e as folhas brotam, sabeis que está próximo o verão. Assim também vós: quando virdes todas estas coisas, sabei que está próximo, às portas” (Mt 24:32 e 33).
Cristo descreveu os sinais de Sua vinda. Disse que poderíamos saber quando Seu retorno estivesse às portas. Quando as folhas das árvores brotam na primavera, sabemos que o verão está próximo. Do mesmo modo, ao se cumprirem os sinais no Sol, na Lua e nas estrelas, podemos nos certificar de que a vinda de Cristo se aproxima. Esses sinais já se cumpriram. Em 19 de maio de 1780 o Sol escureceu. Esse dia ficou conhecido na história como “o dia escuro”. Na região Leste dos Estados Unidos, tão densas eram as trevas que as lamparinas foram acesas ao meio-dia e até depois da meia-noite, a Lua embora fosse cheia, negou-se a iluminar. Muitos acreditaram que o dia do juízo havia chegado. Nenhuma razão satisfatória pôde explicar a escuridão sobrenatural, exceto a que foi encontrada nas palavras de Cristo. O escurecimento do Sol e da Lua foi um sinal de Sua vinda.
Em 13 de novembro de 1833, ocorreu uma deslumbrante queda de estrelas jamais contemplada pelo homem. Outra vez, as pessoas se convenceram de que era chegado o dia do juízo. Desde então, terremotos, furacões, maremotos, pestes, fomes, destruições por fogo ou por inundações têm-se multiplicado. Além disso, angústia e perplexidade entre as nações apontam para o iminente retorno do Senhor Jesus. Aos que haveriam de contemplar esses sinais, o Salvador disse: “Não passará esta geração sem que tudo isto aconteça”.
“Passará o Céu e a Terra, porém as Minhas palavras não passarão” (Mt 24:34 e 35).
“Porquanto o Senhor mesmo, dada a Sua palavra de ordem, ouvida a voz do arcanjo, e ressoada a trombeta de Deus, descerá dos Céus, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro; depois, nós, os vivos, os que ficarmos, seremos arrebatados juntamente com eles, entre nuvens, para o encontro do Senhor nos ares, e, assim, estaremos para sempre com o Senhor. Consolai-vos, pois, uns aos outros com estas palavras” (1 Ts 4:16-18).
Prepare-se. Seja feliz!

Videos

Jovens Eleitos

Minha foto


sou Bispo da igreja batista ebenezer!!!!!  em universidade:

Teologia casado com Rosangela Monteiro treis filhos 

lindos  estor na  obra Missionaria


Recent Post